Relação entre alimentação e vitalidade: como se afetam?

Sabemos que a alimentação é determinante em nosso bem-estar, mas o que muitas pessoas não sabem é que investindo em um cardápio equilibrado é possível melhorar os níveis energéticos e garantir uma maior performance não só nos treinos, mas também em suas atividades diárias.

Ficou curioso? Conheça agora a relação entre alimentação e energia e desfrute dos benefícios em seu dia a dia.

Energia para mente e corpo

A fadiga pode dificultar não só a saúde física como mental, pois pode interferir negativamente sobre o sistema imunológico, tornando mais suscetíveis doenças cardíacas, crônicas, e até mesmo depressão.

O Ferro é um mineral muito importante na saúde das mulheres, pois pode auxiliar para que elas se sintam mais energizadas. A deficiência de Ferro atinge até 10% das mulheres com idades de 20 a 49 anos, e isso pode prejudicar não só suas saúdes físicas, com também mentais.

Vale lembrar que a ingestão de alimentos ricos em vitamina C contribui para a melhor absorção desse mineral.

Alguns dos principais alimentos ricos em Ferro são:

  • leguminosas como feijão e lentilha 
  • carnes vermelhas
  • folhas verdes escuras 
  • semente de gergelim

Horário das refeições

O recomendado para garantia de energia diária é a realização de refeições a cada 3 horas. É importantíssimo não pular refeições, pois essa é a melhor estratégia para não sentir cansaço e ter energia contínua.

Os nutricionistas recomendam que o café da manhã seja completo, a fim de garantir um bom rendimento para todo o seu dia, ou seja, combine porções saudáveis de carboidratos, proteínas e demais nutrientes importantes para o equilíbrio do organismo.

Para não pular refeições o recomendado é sempre levar consigo frutas ou barras naturais. Essas alternativas são interessantes para garantir energia, antioxidantes e muitos nutrientes importantes, até mesmo em pequenos lanches, evitando a possibilidade de armadilhas, deslizes e escolhas por opções não tão saudáveis assim, como industrializados ou refinados.

Atenção para a comida

É fundamental que seja reservado um determinado horário para cada refeição. O ideal é que sua atenção seja voltada completamente para a comida, pois dessa forma a digestão poderá ser melhor associada.

Não é recomendado comer em frente à televisão ou quaisquer outras distrações, pois podem interferir na mastigação, já que a digestão começa por tal.

Suplementação

As atividades físicas e as dietas são associadas para a conquista da boa forma, mas é natural remeter as mudanças físicas à suplementação, porém, devemos admitir que os benefícios não garantidos a partir desses produtos, e sim da alimentação. Os suplementos são utilizados apenas para suprir os nutrientes que não são obtidos de forma natural.

A busca por disposição e melhor performance nos treinos e compromissos de rotina muitas pode ser associado à suplementação de produtos com cafeína e demais substancias estimulantes. Porém, é muito importante que eles sejam avaliados por profissionais de nutrição e adequados para suas necessidades pessoais. 

Não são produtos milagrosos, já que podem induzir a problemas com sono e ansiedade.

Higienização e conservação

Após a escolha dos alimentos, a principal preocupação deve ser escolher os melhores locais para armazenamento. O ideal é que eles sejam agrupados de acordo com as temperaturas, e recipientes adequados.

Os alimentos frescos devem ser higienizados e armazenados de forma adequada, para que o perfil nutricional seja conservado até o momento de degustação.

Invista em locais limpos e frescos para dispor o que julga importante para impulsionar os resultados que deseja obter com a relação entre alimentação e energia.

Energia fracionada

De acordo com as informações acima, podemos notar que a energia diária deve ser obtida de forma fracionada, com porções a cada refeição e com pequenos hábitos que devem ser adotados de forma natural à sua rotina.

Com a adoção de pequenas atitudes, pode-se notar os resultados da relação entre alimentação e energia, sendo benefícios utilizados a favor de sua saúde e nutrição.

Gostou de saber um pouco mais sobre alimentação e energia? Siga nossa página no Facebook e fique por dentro de muitos outros conteúdos. 

Como seguir uma dieta? 4 segredos que você deve saber

Emagrecer está entre os desejos da maioria das mulheres. A forma utilizada para alcançar isso é a mudança na alimentação. Contudo, nem sempre as coisas são tão simples, por isso é fundamental saber como seguir uma dieta. 

A boa notícia é que várias atitudes simples podem ajudar você a não desistir da dieta.

Ficou curiosa? Então descubra quais são no post de hoje!

1. Seja verdadeira com si mesma

É o principal: respeite suas limitações e o seu corpo. Ter como objetivo emagrecer para ficar com o corpo igual da famosa x, por exemplo, é uma grande enganação. Afinal, cada pessoa tem um corpo único.

A questão do comer também costuma ser um grande obstáculo na vida de quem busca entender como seguir uma dieta. “Só um pedacinho” e “amanhã faço tudo certinho” são falas comuns de quem engana a si mesmo. Adiar a dieta pode causar a sensação de estar “quase no caminho”, já que o pensamento é na alimentação correta, mas a atitude se dá no pensamento contrário. Ou seja, nada de deixar para amanhã ou para a próxima segunda-feira!

2. Não acredite em milagres

Certamente você já se deparou com algum tipo de anúncio de produto milagroso que promete emagrecimento rápido e sem nenhum esforço. A dica é: não acredite nisso! O motivo? Não existe uma fórmula mágica para perder peso. 

Sendo assim, não se deixe enganar pelos artistas famosos que aparecem nos comerciais. Menos ainda pelas dietas prontas que prometem resultados incríveis.

A dieta ideal é aquela que leva em consideração a sua rotina, seus hábitos, seus gostos. Ou seja, é algo individual e o que funciona para outra pessoa talvez não seja tão interessante (e saudável!) para você. 

3. Faça um diário de alimentação

Se for possível, fotografe o seu prato diariamente. Quando bater aquela preguiça (e até mesmo falta de tempo) para pensar em um novo prato que não escape da dieta, basta uma espiadinha nas anotações e repetir. 

Outra grande vantagem de registrar (no papel e em fotos) o que você come é a noção da quantidade de alimentos consumidos. Isso vai auxiliar na hora de fazer trocas inteligentes e ainda pode ser um ótimo recurso de incentivo nas horas de desânimo. 

4. Estabeleça metas

A médio e curto prazo. E isso não quer dizer apenas estabelecer o peso que você quer ver na balança, o interessante é explorar outras possibilidades e usar isso como um recurso a mais de motivação

Que tal estabelecer como meta caminhar todos os dias? Reduzir o consumo de refrigerante? O legal em criar metas possíveis é que elas ajudam a manter o foco, pois você atinge os objetivos com mais frequência, ao contrário do que acontece quando se estabelece como única meta emagrecer x quilos. 

Manter uma dieta não é tarefa fácil, ainda mais diante de uma rotina corrida, a qual muitas vezes se torna um obstáculo na hora de cuidar da saúde. Entretanto, com as dicas vistas aqui certamente você saberá como seguir uma dieta e conseguir unir duas coisas que antes pareciam impossíveis: praticidade e cuidado com a saúde. 

Você gosta de assuntos que envolvem cuidados com a saúde? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de muitos outros!

4 alimentos indispensáveis para a sua dieta

Para que uma alimentação seja saudável, é preciso consumir uma grande variedade de nutrientes. Cada alimento tem sua importância dentro da dieta, porém alguns deles são alimentos indispensáveis para a saúde.

Mesmo quando queremos emagrecer e adotamos alguma dieta mais restritiva, há certos componentes que não podem ser excluídos do cardápio  ou, se excluirmos, devemos saber repor de forma adequada —, para que nosso organismo não fique com deficiência de nutrientes.

Quer saber mais sobre o assunto? Então continue a leitura e veja 4 alimentos indispensáveis para a sua dieta.

1. Oleaginosas 

Esse tipo de alimento, que é rico em proteína, fósforo, potássio e gorduras boas, deve estar presente em qualquer dieta. Seu consumo traz inúmeros benefícios para a saúde, como controle da glicemia, da insulina e do colesterol. Além disso, por produzir maior sensação de saciedade, ajuda no processo de emagrecimento. 

Possuem, ainda, selênio, vitamina E e zinco, nutrientes com ação antioxidante que combatem os radicais livres, prevenindo o organismo de algumas doenças e do envelhecimento precoce.

Alguns exemplos de oleaginosas para você incluir no seu dia a dia são castanha-do-pará, castanha-de-caju, noz, amêndoa e amendoim.

2. Proteínas magras 

São importantes fontes de ferro, vitamina B12 e aminoácidos essenciais. Sendo assim, contribuem para a manutenção de nossa musculatura, saúde neurológica  e vitalidade.

As proteínas de origem animal como carnes vermelhas magras, peixes e frangos apresentam uma maior quantidade destes nutrientes quando comparadas as de origem vegetal. É importante estar atendo ao modo de preparo destes alimentos para que não se tornem gordurosos.

Cogumelos frescos, quinua, soja, e as leguminosas são bons exemplos de proteínas vegetais e, devem estar diariamente presente nas refeições principalmente de quem opta por remover a proteína animal do cardápio.

3. Folhas Verdes

Ótimas fontes de vitaminas, fibras e minerais, as folhas colaboram para que a saúde esteja em dia. Possuem, por exemplo, ácido fólico, que é importante para o sistema nervoso central e para prevenir alguns tipos de anemia.

Outro componente presente nesse tipo de alimento é o cálcio, que, além de também contribuir para o bom funcionamento do sistema nervoso, tem papel fundamental na saúde óssea e dental.

Por possuírem poucas calorias, ajudarem na digestão e garantirem elementos essenciais para o organismo, as folhas são excelentes para quem precisa emagrecer.

4. Alimentos integrais

Os carboidratos são boas fontes de energia, no entanto, seu consumo deve ser de forma correta, preferindo as versões integrais, substituindo o arroz, a farinha, os biscoitos e pães.

Esses alimentos não devem ser retirados da alimentação, pois são ricos em fibras, o que prolonga a saciedade e, consequentemente, colabora para o emagrecimento e bom funcionamento intestinal. Além disso, o açúcar presente no alimento é liberado para a corrente sanguínea aos poucos, o que faz que haja controle da glicose no sangue.

O que achou das nossas dicas? Lembre-se que você deve passar por consulta com o nutricionista antes de iniciar qualquer tipo de dieta!

Agora que você sabe mais sobre esses alimentos indispensáveis, aproveite e assine nossa newsletter: assim você ficará por dentro de todas as novidades!

Com qual frequência se deve consultar uma nutricionista?

Manter uma alimentação saudável com os horários e hábitos irregulares se tornou uma tarefa um tanto quanto difícil. De olho na busca de nutricionistas para mudanças corporais e melhor qualidade de vida, você saberia responder com qual frequência você deveria consultar uma nutricionista?

Reconhecendo que o profissional é buscado por diferentes objetivos, a seguir poderemos compreender qual é o melhor momento e periodicidade para garantir a eficiência do acompanhamento.

Saúde

A alimentação deve ser reconhecida como principal apoio para a prevenção e auxílio no tratamento de doenças. Por isso, deve-se admitir que consultar uma nutricionista é o pontapé inicial para fortalecer o corpo e impulsionar o sistema imunológico por meio de uma alimentação saudável.

As doenças crônicas e intolerâncias podem ser superadas com pequenos ajustes alimentares. Para isso, é oportuno uma entrevista e consultas iniciais para esclarecimentos e conhecimento sobre o histórico genético e individual. Deve-se admitir que os alimentos possuem o poder de retardar o progresso de doenças e aliviar os sintomas.

Intolerâncias

As alergias e intolerâncias estão cada vez mais comuns, já que alimentos processados e embutidos estão marcando presença nos planos alimentares. Consultar uma nutricionista é fundamental para que os sintomas sejam identificados e possam ser sugeridos tratamentos para melhorar a sensibilidade e a digestão.

Isso pode ocorrer com quem sofre com irritações provocadas por derivados de lactose e glúten.

Fadiga

Falta de disposição para o trabalho ou queda de rendimento nas atividades é um dos principais sintomas de que você precisa consultar um nutricionista. Esse é um sinal importante para identificar deficiência de algum nutriente. Portanto, se deseja seguir no caminho certo e natural para aumentar seus níveis de energia, consulte uma nutricionista.

Os encontros podem ser periódicos e, notando a melhora em sua qualidade de vida, as recomendações e planos alimentares podem ser ajustados de acordo com seu progresso.

Medidas

A busca pela boa forma é uma das principais causas para a procura do acompanhamento com nutricionista. Seja o seu objetivo o ganho de massa ou o emagrecimento, esses processos só podem ter sucesso com garantia de uma nutrição equilibrada se você estiver contando com o apoio de um profissional capaz de identificar suas necessidades nutricionais diárias.

Você pode consultar uma nutricionista com orientações de seu educador físico, pois assim pode-se associar treino e dieta, garantindo uma melhor eficiência no processo e obtenção dos resultados esperados.

Emagrecimento

A internet está cheia de recomendações e dietas tendenciosas. Por isso, ao invés de reduzir drasticamente o consumo de carboidratos ou qualquer nutriente, busque orientação de uma nutricionista e compreenda que esses nutrientes são importantes para a conquista dos resultados.

A consulta serve para identificar os alimentos a serem utilizados a favor de seu emagrecimento e organizar um plano alimentar condizente com seu paladar e rotina.

Hipertrofia

Engana-se quem pensa que busca acompanhamento apenas quem deseja perder peso. O ganho de massa magra requer atenção com as porções de proteínas consumidas diariamente. Portanto, consultar uma nutricionista é fundamental para calcular as necessidades proteicas em cada refeição, garantindo a manutenção anabólica.

A utilização de suplementos não é descartada e deve ser recomendada pela nutricionista, associando dieta e suplementação. Essa estratégia pode ser adotada para garantir um bom desempenho nos treinos e impulsionar o aumento do percentual de músculos.

Reeducação alimentar

Você também pode consultar uma nutricionista sem que nada de errado esteja acontecendo. As mudanças alimentares podem ser adotadas apenas para auxiliar na prevenção de doenças e na busca de uma melhor qualidade de vida. Se deseja obter conselhos para melhorar sua rotina alimentar e conciliá-la com suas tarefas, o acompanhamento pode ser interessante para prevenir inúmeras condições no futuro.

Sem hora certa

Admitindo que não há perfil certo para os pacientes, podemos afirmar que não há uma hora certa para consultar uma nutricionista. Os cuidados podem ser buscados desde a prevenção de doenças no futuro até o tratamento e controle de sintomas de condições mais graves.

Os objetivos podem variar de saúde à estética. Cabe a cada um identificar suas necessidades pessoais, saber quando consultar uma nutricionista e investir em um acompanhamento combinado com segurança e confiabilidade entre profissional e paciente.

Quer ficar por dentro do mundo da nutrição? Curta nossa página no Facebook e saiba mais!

Atividades físicas: 5 dicas para começar a fazer exercícios

A tecnologia e a industrialização trouxeram muitas facilidades e comodidades para nossas vidas, mas também nos deixaram mais preguiçosos. No entanto, realizar atividades físicas é muito importante: um corpo ativo evita os efeitos negativos do sedentarismo e promove a saúde física e mental, além de contribuir para fatores estéticos.

Seja por falta de tempo ou motivação, incluir essas atividades na nossa rotina nem sempre é fácil, não é mesmo? Se você se encontra nessa situação, confira, no post de hoje, 5 dicas para começar a fazer exercícios. Vamos lá!

1. Defina suas metas

O dia a dia está cada vez mais corrido e, se você não tiver um propósito ao se exercitar, encontrar tempo para incluir mais uma atividade na rotina será um desafio ainda maior.

Por isso, pense se você deseja emagrecer, ganhar massa magra, melhorar o condicionamento físico, entre outros objetivos. Independentemente de qual for a sua motivação, esclareça-a para você mesmo e, assim, terá razões claras para começar a treinar.

2. Exercite-se regularmente

Um dos passos mais importantes para conseguir incluir os exercícios físicos na nossa rotina é fazer com que eles se tornem um hábito. Se você treina hoje, passa semanas sem treinar, depois volta, mas nunca consegue estabelecer um padrão, a adaptação será mais difícil.

Independentemente de qual exercício você escolher, lembre-se de que o seu corpo precisa de um tempo para se acostumar. Treine regularmente, de forma gradual e respeite as suas limitações. Assim, os estímulos frequentes farão com que o seu corpo se habitue à nova rotina.

3. Seja realista e paciente com os resultados desejados

Muitas vezes, começamos a praticar exercícios, mas desistimos depois de um tempo. Isso pode acontecer porque não atingimos nossos objetivos rapidamente, ou porque não conseguimos manter o ritmo.

Para que isso não aconteça, é importante ser realista. Primeiro, tenha em mente que toda mudança leva tempo. Com a prática regular de atividades físicas, aliada a uma boa alimentação, os seus objetivos serão alcançados, mas não de forma imediata.

Outro ponto importante é não extrapolar os limites do corpo. Planeje um ritmo de exercícios que seja possível manter, com horários que se encaixem na sua rotina. Uma dica é escolher locais próximos de sua casa ou trabalho e selecionar treinos com boa duração e intensidade, dentro do que você consegue fazer. 

4. Encontre a atividade física certa para você

São muitas as opções de atividades físicas e encontrar aquela que é certa para você faz toda a diferença.

Cada tipo de exercício é indicado para um objetivo. Por exemplo, se você deseja ganhar massa magra, musculação, CrossFit e treinos funcionais podem ser melhores opções do que treinos aeróbicos. Caso você deseje emagrecer, intercalar atividades aeróbicas intensas com treinos de força é uma boa opção.

Além disso, é essencial que o exercício te agrade para que você não tenha vontade de faltar aos treinos e consiga atingir uma boa frequência, melhorando a cada dia.

5. Priorize a sua saúde

Muitas vezes, damos muita importância para o trabalho e para as exigências do nosso dia a dia e acabamos nos esquecendo de que, sem saúde, os outros compromissos não são possíveis. Por isso, lembre-se de que a sua saúde é prioridade e que praticar atividades físicas melhora a sua qualidade de vida e traz diversos benefícios para sua mente e corpo, tais como:

  • melhora o funcionamento dos sistemas cardíaco e respiratório;
  • reduz os níveis de colesterol, glicose e triglicerídeos;
  • ajuda na prevenção de diversas doenças;
  • favorece a sensação de bem-estar.
  • promove o fortalecimento muscular;
  • melhora a resistência corporal;
  • auxilia na regulação do peso;

Começar a praticar atividades físicas pode ser um desafio, mas, com um pouco de planejamento, organização e pequenas mudanças de hábitos, é possível. Estabeleça seus objetivos, encontre a atividade que mais combina com você e com suas individualidades e comece a desfrutar dos benefícios de uma vida mais saudável.

Se você se interessa por assuntos relacionados à saúde, alimentação e bem-estar, curta nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as nossas novidades!

A dieta cetogênica realmente funciona? Descubra aqui!

Quem está sempre em busca da melhor forma física tem se deparado com inúmeras dietas nos últimos anos. Mas, de fato, poucas delas são comprovadamente eficazes. Além disso, o que funciona para um indivíduo pode não funcionar para outro, pelo simples fato de terem genéticas e estilos de vida diferentes.

Uma dessas dietas do momento é a cetogênica. Você já ouviu falar dela? Quer saber se pode funcionar para você?

Se você está à procura de mais informações a respeito, confira, a seguir, se a dieta cetogênica funciona e quais são as suas vantagens e desvantagens.

O que é a dieta cetogênica?

Certamente, você já ouviu falar que consumir gorduras engorda (além de afetar a saúde cardiovascular). Pois saiba que não é bem assim, e é exatamente no consumo de gorduras que a dieta cetogênica é baseada.

Descrente? Bem, como tudo na vida, essa informação deve ser relativizada. Se você já estava separando a gordura da picanha para a próxima refeição, pare agora.

A dieta cetogênica é baseada no consumo mínimo de carboidratos e no consumo acentuado de gorduras BOAS ( mono e poli-insaturadas) como aquelas presentes nas castanhas, abacate e  salmão, com alguma ingestão de proteína para complementar.

Você pode consumir gorduras saturadas (provenientes de carnes e laticinios), mas moderadamente. Gorduras trans, presentes em produtos industrializados não devem ser ingeridas em hipótese alguma, pelos seus efeitos comprovadamente danosos à saúde.

Por meio dessa dieta, os níveis de insulina abaixam  e a queima de gordura corporal aumenta exponencialmente.

A dieta cetogênica funciona?

Estudos têm comprovado que sim, mas, novamente, é importante destacar que cada indivíduo responde de uma forma, com base na sua genética e nas suas necessidades nutricionais diárias.

Por exemplo, se você é um, atleta de alta performance ou um fisiculturista, talvez a dieta cetogênica não seja a melhor opção, pois uma baixa tão extrema e repentina no consumo de carboidratos pode levar o corpo a um estado de catabolismo, em que o corpo utiliza a musculatura como combustível.

Além disso, diabéticos, hipertensos e mulheres amamentando devem tomar especial cuidado com essa dieta. É indispensável consultar um nutricionista qualificado antes de começar uma dieta restritiva.

Vantagens e desvantagens da dieta cetogênica

Os benefícios são similares aos de uma dieta low-carb, com a diferença de que o consumo de proteínas não é liberado. Isso levaria a uma maior queima da gordura armazenada no seu corpo.

Assim, a dieta cetogênica parece ser uma grande aliada do emagrecimento. Ainda, ajudaria a:

  • reverter a diabetes melito do tipo 2;
  • melhorar o foco e a concentração;
  • melhorar a pele (inclusive reduzindo a acne);
  • diminuir crises de enxaqueca.

Esses são apenas alguns dos benefícios da dieta cetogênica, mas, com certeza, o seu nutricionista saberá listar outros e identificar se ela é a melhor opção para o seu caso, pois, não raro, indivíduos em transição de uma dieta tradicional (com alto consumo de carboidratos) para uma dieta low-carb podem ter alguns efeitos colaterais, como baixa na imunidade, fadiga, náusea, dores de cabeça, etc.

Para preveni-los, você pode reduzir a ingestão de carboidratos gradualmente e ingerir muita água — a dieta cetogênica induz a perda de líquidos corporais, que carboidratos ajudam a reter.

Na dúvida, sempre consulte um nutricionista.

Agora que você já sabe como a dieta cetogênica funciona, que tal nos seguir nas redes sociais e ficar por dentro das novidades da área?

Gordura trans: O que é, por que evitar e quais alimentos contém?

Provavelmente, você já ouviu falar sobre a gordura trans, não é mesmo? Ela é encontrada naturalmente em quantidades insignificantes em alguns alimentos como carnes e leite de vaca, mas também é introduzida em outros de forma artificial para melhorar a consistência, oferecer sabor e, até mesmo, aumentar a durabilidade.

Por seus efeitos negativos sobre nossa saúde, o ministério da saúde determinou que é aceitável o consumo de até 2 gramas desta gordura por dia. Desde então,  a agência nacional de vigilância sanitária(ANVISA) obriga todos os fabricantes a indicar no rótulo a quantidade de gordura trans presentes nos alimentos. 

 Continue a leitura e saiba mais!

Afinal, o que é a gordura trans?

A gordura trans é  formada durante o processo de hidrogenização  industrial (adição de moléculas de hidrogênio) que transforma óleos vegetais líquidos em gorduras sólidas a temperatura ambiente. 

Facilmente produzida e de baixo custo, a gordura trans é inserida em vários alimentos presentes no nosso dia a dia.

Por que evitá-la?

Por ser uma gordura que foi quimicamente modificada pela industria alimentícia, seu consumo regular pode acarretar uma série de efeitos negativos no organismo de uma pessoa. Confira os principais!

1. Aumento de peso

Uma de suas principais consequências está diretamente relacionada à obesidade, ou seja, ao ganho da gordura abdominal e ao aumento de peso. Isso acontece devido ao seu alto teor calórico (01 grama = 9 Kcal) e ao seu poder inflamatório. 

2. Elevação do risco de doenças cardiovasculares

Ao ingeri-la regularmente, haverá um aumento nos níveis do LDL (colesterol ruim) e uma redução nos níveis de HDL (colesterol bom) o que aumenta as chances de uma pessoa ter doenças cardiovasculares, como infarto e AVC (acidente vascular cerebral).

Isso tudo ocorre devido à presença da placa de ateroma, que pode se deslocar nos vasos sanguíneos e diminuir (ou até mesmo impedir) o fluxo sanguíneo para diferentes órgãos do corpo.

3. Desenvolvimento de diabetes

Outro problema causado pela gordura trans é o desenvolvimento de diabetes. Isso porque ela pode afetar as funções da membrana da célula e, dessa forma, diminuir a sensibilidade da insulina.

Essa baixa sensibilidade está ligada ao aparecimento da diabetes tipo 2 sobretudo em pessoas acima do peso e em indivíduos obesos.

Em quais alimentos é encontrada?

Produzida naturalmente, a gordura trans pode ser encontrada em carnes e leite, por exemplo. Já a que é introduzida artificialmente costuma ser encontrada em alimentos industrializados, como margarina (em especial as mais sólidas), recheio de biscoitos, fast-food, macarrão e sopa instantânea, pipoca de micro-ondas, congelados (pizza, hambúrguer, nuggets e tortinhas), salgadinhos de pacote e massas pré-prontas de bolo.

Além de todos esses insumos, ela também é usada em fritadeiras de muitos estabelecimentos, uma vez que pode ser reutilizada várias vezes sem ficar rançosa. Assim, é possível encontrá-la ainda em alguns alimentos fritos, como pastel e frango.

Agora que você já sabe o que é, por que evitar e quais alimentos contêm a gordura trans, elimine-a de sua dieta. Lembre-se de ler os rótulos dos produtos, especialmente nos supermercados, e buscar um nutricionista, garantindo a sua saúde.

Gostou do artigo de hoje? Ficou alguma dúvida sobre o assunto? Então, escreva nos comentários. Até mais!

O que é e como funciona o jejum intermitente?

Muitas pessoas buscam desesperadamente encontrar soluções que as auxiliem a manter a saúde e o corpo em dia. Geralmente, a sociedade vive em busca do bem-estar físico e do emagrecimento e uma das técnicas utilizadas e que vem gerando polêmica na internet é a do Jejum Intermitente (JI).

Neste post, vamos explicar como funciona o jejum intermitente, que encoraja a prática de não comer durante certos períodos. Esta metodologia indica que a pessoa somente deve comer quando sentir fome e ainda assim deverá tomar alguns cuidados com relação aos alimentos que vai ingerir. 

Deseja saber tudo a respeito desta dieta? Então, continue lendo nosso artigo!

O que é o jejum intermitente?

O jejum intermitente é a nova maneira de fazer jejum programado. As pessoas que aderem a esta dieta passam maiores tempos sem ingerir alimentos. Esses períodos sem a ingestão de nutrientes podem durar 12,16 ou até mesmo 24 horas. 

Em contrapartida, quem faz esta dieta pode beber água, café ou outras bebidas que não sejam calóricas, pois isto ajudará a diminuir a fome. Por ficar um intervalo de tempo muito grande sem comer, muitos nutricionistas não concordam com a técnica — e esse é o nosso caso. 

Como funciona o jejum intermitente?

O método exige que a pessoa realize o jejum todos os dias durante um determinado tempo, até que alcance os seus objetivos. Durante o dia, poderão ser realizadas duas ou três refeições, sendo que alguns alimentos devem ser removidos da dieta alimentar, inclusive os que possuem carboidratos.

Após o jejum, a pessoa estará liberada para comer .Veja abaixo uma listagem dos alimentos permitidos:

  • verduras;
  • legumes;
  • carne vermelha ou branca;
  • ovos;
  • pães integrais;
  • sucos naturais;
  • frutas.

O JI que está tão na moda, porém, pode ser gatilho para uma série de comportamentos prejudiciais a quem pratica. A seguir, você entenderá porque  não recomendamos esta prática.

 

Comportamentos compulsivos

A pessoa que pratica o jejum intermitente corre o risco de adquirir comportamento compulsivo. 

A privação alimentar durante horas pode fazer com que ao começar a comer, ingira-se  alimentos em quantidades exageradas e  em muitos casos, sem levar em consideração a qualidade nutricional da refeição.

 

Perda de massa muscular

O alimento é a principal fonte de energia para o nosso corpo. Quando ficamos muito tempo sem nos alimentarmos, corremos o sério risco de nosso organismo buscar  a energia necessária para seu funcionamento em nossa massa muscular.

Assim, há a possibilidade de perdermos peso na balança mas sem efetivamente perdemos gordura .

 

Metabolismo lento 

A perda de massa muscular torna nosso metabolismo basal mais lento. Isso na prática significa que nosso organismo gastará menos calorias diariamente.

Logo, a perda de peso se tornará mais difícil com o passar do tempo. 

Por essa razão acreditamos que  o resultado do JI é apenas a curto prazo, visto que o peso obtido dificilmente se mantém.

Portanto, é de extrema importância que você compreenda que qualquer tipo de dieta deve ser acompanhada por um profissional de nutrição, para evitar o desenvolvimento de enfermidades e outros transtornos. Alguns profissionais especializados nesta área, assim como nós, discordam da prática do JI pelas razões descritas acima.

Você curtiu este post sobre como funciona o jejum intermitente? Lembrou-se de outros tipos de dieta ou jejum? Deixe aqui um comentário para compartilhar a sua opinião sobre o assunto!

4 mitos esclarecidos sobre dietas para emagrecer

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, mais de 50% da população brasileira está com sobrepeso ou obesidade. Essa situação é alarmante, pois, a má alimentação e o sobrepeso são alguns dos fatores mais associados às doenças cardiovasculares, como afirma o estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo — USP.

Em busca de um cuidado maior com a saúde e a estética, o emagrecimento se tornou o objetivo de grande parte da população. Porém, alguns mitos precisam ser quebrados para que a perda de peso ocorra de maneira mais saudável e efetiva. Confira o texto que preparamos para você com alguns dos mitos sobre dietas:

1. Pular algumas refeições ajuda a emagrecer

Ficar longos períodos sem comer para perder peso, deixando de fazer algumas refeições importantes, pode ser considerado um dos maiores mitos sobre dietas.

Este é um pensamento muito popular, pois, acredita-se que quanto menos calorias forem ingeridas, mais peso será perdido.

O que ocorre, na verdade, é um maior acúmulo de gordura após longos períodos em jejum, já que o corpo entende a falta de alimento como um alerta para estocar energia e garantir a sobrevivência em épocas de fome.

2. Eliminar carboidratos é um dos grandes mitos sobre dietas

Como esses alimentos costumam ser uma importante fonte de calorias, muitos acreditam que eles devem ser evitados e que fazem mal ao organismo.

Além de ser um mito, esse pensamento também pode ser muito perigoso para a saúde, afinal, os carboidratos são uma das maiores fontes de energia para o cérebro. Por isso, permanecer por longos períodos de tempo sem consumir esses alimentos pode provocar dores de cabeça e tonturas, além de hipoglicemia e danos ao sistema nervoso central.

O ideal em dietas para emagrecer é consumir carboidratos complexos, como aqueles encontrados nos alimentos integrais, para que sua absorção seja mais lenta e promova mais saciedade.

3. Beber muita água facilita o emagrecimento

Aumentar a ingestão diária de água costuma estar entre as melhores recomendações para quem deseja seguir um estilo de vida mais saudável. O grande erro está em considerar que o consumo desse líquido ajuda no processo de emagrecimento.

A água é uma substância neutra para o organismo, não sendo capaz de intensificar a perda de peso e, tampouco, agir de forma contrária.

O melhor a se fazer para potencializar o emagrecimento é substituir as bebidas que contenham açúcar por água, evitando a ingestão de calorias em excesso. Lembre-se que beber qualquer líquido durante as refeições atrapalha o processo de digestão.

4. Comer frutas auxilia no aumento do peso

Esse mito vem da ideia de que a frutose, um carboidrato presente nas frutas, prejudica a dieta e deve ser evitada. Para desfazer essa crença, é importante ressaltar que existem estratégias nutricionais de combinações alimentares que são capazes de reduzir a velocidade da absorção deste carboidrato. 

Além de serem uma importante fonte de energia, as frutas são ricas em vitaminas e minerais essenciais para a manutenção adequada das funções corporais.

Por esses motivos, é recomendado o consumo de porções diárias de frutas, mesmo em casos de dietas para emagrecer.

Os grandes mitos sobre dietas precisam ser desfeitos para que a população possa cuidar melhor da saúde e alcançar a perda de peso de forma segura. Se você gostou dessas dicas, compartilhe esse texto em suas redes sociais e ajude a espalhar essas informações!