Perguntas para nutricionista: quais são as mais importantes?

Buscar um profissional é o melhor caminho para manter uma boa saúde, emagrecer ou ganhar peso. Seja qual for o objetivo, é fundamental fazer perguntas para a nutricionista a fim de que todas as dúvidas sejam sanadas antes de começar a dieta.

Essa conduta permite compreender todo o processo que envolve a estratégia alimentar adotada, o que se deve fazer e a importância de seguir as recomendações à risca. Tudo isso, quando bem esclarecido, evita frustração e erro na escolha dos alimentos.

Embora cada paciente tenha questionamentos específicos a respeito da alimentação, existem dúvidas comuns importantes que devem ser elucidadas pela nutricionista. A seguir, apresentaremos as perguntas mais corriqueiras feitas no consultório. Confira!

“Qual é a melhor dieta?”

A melhor dieta é aquela que considera todas as características do indivíduo e o momento em que ela é executada. Por isso, não existe uma fórmula universal que seja efetiva para todos.

Para a dieta trazer benefícios, ela deve respeitar a individualidade metabólica, incluir alimentos da preferência de cada um e ter viabilidade.

Além disso, a mesma pessoa pode ter diferentes planos alimentares ao longo da vida, variando conforme o objetivo e as necessidades nutricionais em cada fase.

“Quantas calorias devo consumir para emagrecer?”

Uma das principais perguntas para a nutricionista é sobre a quantidade de calorias diárias para emagrecer. Assim como não existe uma dieta única, não há também uma quantidade absoluta de calorias.

Diversos fatores estão relacionados à determinação da ingestão calórica para emagrecer. Por exemplo, o peso, a altura, a prática de atividade física, a alimentação atual etc. A análise de todos eles e o método de emagrecimento empregado definem o quanto consumir.

“Devo evitar os carboidratos?”

Consumir os carboidratos certos na quantidade ideal é importante para o bom funcionamento do organismo. E sim, é possível emagrecer comendo eles. Assim como qualquer outro nutriente, o problema está no excesso e na qualidade.

A recomendação geral é evitar os alimentos muito processados e com bastante açúcar. As fontes mais saudáveis, como os alimentos integrais e as frutas, devem ser incluídas no cardápio em quantidades específicas.

Embora cortar os carboidratos seja um caminho para o emagrecimento rápido, não necessariamente por redução de gordura, essa tática não é interessante para todos. Um dos motivos é a dificuldade de consistência a longo prazo.

“As bebidas alcoólicas interferem na dieta?”

Há estudos que mostram os benefícios do vinho para a saúde cardiovascular. No entanto, as mesmas vantagens são encontradas também no suco de uva integral, o que faz desse produto uma opção para quem quer aproveitar a ação antioxidante e anti-inflamatória da fruta sem ingerir o vinho.

O consumo de bebidas alcoólicas não está liberado para todos. Mesmo em quantidades reduzidas, esse hábito pode interferir na obtenção de resultados para quem deseja emagrecer ou ganhar massa muscular.

O álcool influencia na disposição, na recuperação muscular, no apetite e no metabolismo, prejudicando o desenvolvimento de quem passa por esses processos.

Entre os diversos motivos que envolvem a decisão de eliminar ou reduzir o consumo de bebida alcoólica, o comprometimento com o objetivo é um deles.

Além dessas dúvidas, certamente existem outras que um bom profissional será capaz de ajudar. Elaborar perguntas para a nutricionista nunca é demais. Levá-las ao consultório demonstra engajamento por parte do paciente e proporciona um atendimento mais participativo e satisfatório.

Para orientações personalizadas, entre em contato conosco e marque uma consulta!

Entenda a importância da hidratação para o emagrecimento

Você provavelmente já escutou várias vezes que é importante tomar bastante água, se manter hidratado, entre outros, certo? Mas, você sabe por que razão precisamos tomar água? Sabe qual é a importância da hidratação para o bom funcionamento do nosso corpo e também como ela auxilia no emagrecimento? Não?

Não se preocupe, preparamos esta matéria explicando tudo, então continue a leitura e conheça um pouco mais sobre o assunto.

Importância da hidratação

A água é um dos elementos em maior concentração no nosso corpo; entre 50% e 60% do nosso peso é composto de água.

Além disso, a água participa de quase todas as reações que acontecem em nosso organismo, como por exemplo: auxilia na regulagem da temperatura corporal, na eliminação de toxinas, nos mantém hidratados, favorece a absorção dos nutrientes, entre outros. A falta de água no organismo pode dificultar a realização dessas atividades. 

Além de saudável, um corpo hidratado também está melhor preparado para combater ameaças, pois os glóbulos brancos e anticorpos (responsáveis por proteger nosso corpo) apresentam melhor desempenho quando estão em meio aquoso, mantendo então as doenças e infecções bem longe de nós.

Hidratação e emagrecimento

E não para por aí! Quando o assunto é emagrecimento a água também pode ser uma aliada, pois pode atuar de diversas formas: a ingestão de água gelada, por exemplo, acelera nosso metabolismo, podendo acelerar também a queima de gordura.

Além disso, como a água é o meio que elimina os resíduos retidos em nosso corpo, ao ingerir a quantidade adequada de água por dia, estamos dando condições ao nosso corpo para mandar tudo que esta retido embora, fazendo uma verdadeira limpeza em nosso organismo. Com isso, a sensação de inchaço, característica desse quadro de “resíduos retidos” vai por água abaixo também.

A água também pode ser utilizada em uma “estratégia” para comer menos. A sensação de saciedade é gerada quando nosso corpo percebe que nosso estômago está cheio. Assim, tomar 2 copos de água momentos antes das refeições faz com que nosso estômago fique parcialmente preenchido. Assim, quando começarmos a comer, sentiremos a sensação de saciedade mais rapidamente.

Quanto e como tomar

O quanto cada pessoa precisa tomar de água por dia varia de pessoa pra pessoa, devido a vários fatores. Eliminamos, em média, de 1,5 a 2 litros de água por dia, por meio de reações fisiológicas (suor, urina, fezes, entre outros), então, essa seria uma quantidade adequada para repor. Para os dias que praticar atividade física, recomenda-se aumentar a dose.

Mas não quer dizer que toda essa quantidade precise ser ingerida no formato de “água”. Sem dúvida, esse seria o ideal, atingir a quantidade ingerindo o líquido puro. Mas existem outras bebidas que podem entrar para a conta e que, inclusive, podem trazer benefícios também, por exemplo:

  • Água de coco: além de saborosa, a água de coco tem baixa caloria e é rica em antioxidantes, e excelente para repor os eletrolitos após atividade física;
  • Chás de ervas: os chás auxiliam na digestão, na eliminação de líquidos retidos e têm ação calmante, excelentes para serem consumidos após o almoço e antes de dormir. Prefira também os sem açúcar.

Sinais de desidratação

Existem alguns sinais característicos de desidratação, e estar atento a eles pode evitar situações de perigo. 

O mais fácil de identificar é a sede. Quando sentimos sede repentinamente ao longo do dia significa que nosso corpo está pedindo ajuda ,pois está desidratado.

Outro sinal é dado pela urina. Pela manhã é normal que ela seja um pouco mais turva, porém, durante o dia ela deve se apresentar em tom amarelo-claro. Pouca quantidade de urina de cor escura ao longo do dia é um indicador de falta de água.

Esta foi a matéria sobre a importância da hidratação. Esperamos ter esclarecido esse assunto para você! Gostou? Então assine nossa newsletter para ficar por dentro das nossas novidades!

Como obter mais resultados na consulta com nutricionista?

Muitos acreditam que a consulta com nutricionista se resume a um auxílio para o emagrecimento ou a reeducação alimentar. O que poucos sabem é que esse profissional também ajuda a controlar as doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, orienta pessoas com alergias e intolerâncias alimentares e auxilia pacientes em busca de mais vitalidade, ganho de massa magra ou que necessitem de suplementação nutricional.

Para que os objetivos de cada um sejam alcançados, é extremamente importante que o paciente escolha um bom nutricionista e compreenda bem o que ocorre em uma consulta, colaborando ainda mais para que os resultados sejam os esperados.

Quer saber mais? Então, acompanhe as informações abaixo!

Como é a rotina de uma consulta com nutricionista?

A consulta normalmente se baseia em três tópicos: anamnese, exame físico e orientações.

Na anamnese, que consiste em uma entrevista direcionada à obtenção de dados clínicos, o profissional investigará itens como:

  • histórico de vida;
  • rotina e hábitos importantes;
  • presença de doenças na família ou do próprio paciente;
  • prática de atividades físicas;
  • alimentação, incluindo as preferências e aversões alimentares;
  • ocorrência de problemas como queda de cabelo, flacidez, unhas frágeis;
  • a relação do indivíduo com a comida;
  • qualidade do sono;
  • os objetivos do paciente.

No exame físico, verifica-se o peso, a altura, as medidas do corpo, calcula-se o percentual de gordura e são analisados outros fatores que o profissional considerar necessários para uma melhor avaliação.

Entre as orientações feitas pelo nutricionista, algumas delas podem ser:

  • A inclusão de certos alimentos ou grupos alimentares;
  • A exclusão ou redução de itens do cardápio;
  • O tempo apropriado de intervalo entre as refeições;
  • A ingestão adequada de líquidos;
  • A orientação para a procura de outros profissionais, como médico endocrinologista ou educador físico.

O nutricionista pode pedir exames?

A resposta é sim! De acordo com a Lei nº 8234, Art. 4º, parágrafo VIII, o nutricionista pode solicitar os exames laboratoriais necessários para o acompanhamento dietoterápico. Alguns deles são:

  • Ferro;
  • Ferritina sérica;
  • Teste oral de tolerância à glicose;
  • Glicemia de jejum;
  • Hemoglobina glicada;
  • Ureia;
  • Creatinina;
  • Ácido fólico;
  • Dosagem de vitaminas e micronutrientes.

O ideal é que o paciente leve à consulta os resultados dos seus exames mais recentes, como hemograma, glicemia de jejum, colesterol, entre outros, já que alguns planos de saúde só possuem cobertura para pedidos feitos por médicos ou odontólogos.

Como o paciente pode tornar a consulta ainda melhor?

O mais importante é a sinceridade a respeito de hábitos e gostos pessoais, para que seja possível elaborar uma proposta clínica adequada à realidade e às necessidades de cada um. Além disso, o paciente deve solicitar ajustes caso a dieta não esteja de acordo com as suas preferências, para que o cardápio possa ser seguido com a maior fidelidade possível.

Por último, vale ressaltar a que a consulta com nutricionista deve ser realizada periodicamente, de modo que os resultados possam ser acompanhados de perto pelo profissional e sejam feitas alterações ou novas recomendações para alcançar o objetivo desejado.

Se restou alguma dúvida ou deseja receber mais orientações, entre em contato conosco para que possamos ajudar!

Comer antes de dormir: até que horas os alimentos são permitidos?

Para aqueles que têm uma vida corrida, que saem cedo de casa todos os dias para trabalhar e só voltam no início da noite, o jantar provavelmente se tornou uma das principais refeições do dia, já que nem sempre se tem o tempo adequado para fazer as refeições anteriores e, também, por ser o momento mais fácil de reunir toda a família.

Entretanto, é preciso ter cuidado com o hábito de comer antes de dormir. Você sabe se isso é saudável? Sabe até que horas os alimentos são permitidos? Continue a leitura para conhecer mais sobre o assunto!

Comer antes de dormir é bom ou ruim?

É ruim comer antes de dormir? Muito pelo contrário: é necessário se alimentar nesse horário, visto que o nosso corpo passará por um longo período de sono e, consequentemente, não receberá nenhum alimento. Porém, é preciso estar ciente de que alguns cuidados são essenciais para que essa alimentação não venha a prejudicar o seu organismo.

Até que horas os alimentos são permitidos?

Não é possível determinar um horário limite que seja aplicável a todas as pessoas, pois cada uma tem uma rotina diferente e um horário diferente para ir dormir.

O ideal é que o jantar seja consumido por volta de 3 horas antes de se deitar, garantindo tempo suficiente para o organismo fazer a digestão e poder, então, se concentrar nas reações que ocorrem durante o sono.

Quais são os alimentos mais indicados para o jantar?

Em geral, a refeição antes de dormir precisa ser leve e de fácil digestão, já que, nesse horário, o organismo está diminuindo o seu ritmo de trabalho. Alimentos como saladas e proteínas magras, como peixe e frango, omelete e iogurte são boas opções para serem consumidas no jantar.

Existem ainda alimentos que, por conta de sua composição, se tornam aliados para um sono reparador. O responsável por essa ação nos alimentos é o aminoácido triptofano, que está ligado à produção de serotonina, famosa substância ligada ao bem estar e, também, relacionada à qualidade do sono. Alimentos que possuem esse aminoácido são: bananaoleaginosas, chocolates com teor acima de 70% de cacau entre outros.

Quais são os alimentos menos indicados para o jantar?

De igual forma, existem alimentos que não são indicados para serem consumidos à noite, a saber, aqueles que têm ação estimulante, como o café, pimenta, chá preto, chá verde, entre outros. Com o cair da noite, o nosso organismo começa a reduzir o ritmo e a ação estimulante desses alimentos pode perturbar o nosso sono.

De igual forma, alimentos de difícil digestão (como carnes vermelhas e alimentos muito gordurosos) podem apresentar essa mesma consequência, já que exigem mais tempo e esforço para serem processados.

Gula noturna, alerta vermelho?

Muitas pessoas veem esse hábito como uma compensação, do tipo: “tive um dia super agitado e cansativo, deu tudo errado, então, eu mereço comer um farto jantar e ir para a cama”.

Mas é preciso estar em alerta para não cair nessa cilada. O ideal para compensar um dia ruim é uma boa noite de sono, capaz de recuperar a vitalidade para estar preparado para o dia seguinte, e a gula noturna (jantar e dormir em seguida) infelizmente não contribuirá com esse objetivo.

O ideal é que a refeição já tenha sido digerida antes de dormir, para que, com o início do sono, nosso organismo possa se concentrar nas reações que precisam ocorrer durante a noite.

Se você for dormir com o estômago cheio, o seu organismo, que já está naturalmente em ritmo desacelerado, ficará dividido entre efetuar a digestão e realizar os processos noturnos. Ou seja, ambos serão prejudicados.

Além disso, a gula noturna também está relacionada com aumento de peso e o aparecimento de refluxo gastroesofágico , caracterizado pelo retorno do conteúdo estomacal ao esôfago, causando náuseas, acidez gástrica, indigestão e, em casos mais severos, até mesmo câncer de esôfago.

Portanto, pensando na sua qualidade de vida, o ideal é evitar esse hábito e se alimentar no horário adequado.

Gostou deste texto? Ele esclareceu as suas dúvidas sobre comer antes de dormir? Então, que tal continuar aprendendo? Descubra 4 mitos esclarecidos sobre dietas para emagrecer!

Descubra 6 alimentos que dão energia pela manhã

Você provavelmente já ouviu falar que o café da manhã é a principal refeição do dia. Porém, a sua contribuição para o bem-estar está muito relacionada às escolhas dos alimentos que o compõem.

O investimento em alimentos que dão energia pode otimizar o rendimento nas atividades do seu cotidiano. Um café da manhã rico em nutrientes não só possibilita que você tenha uma melhor performance durante os treinos como também favorece a realização de compromissos de trabalho e até mesmo estudo.

Comer os alimentos certos logo no início da manhã ainda contribui para a qualidade do sono. Dessa forma, com descanso garantido, você já começa o dia seguinte com mais saúde e bem-estar.

Se você quer usar os nutrientes certos a favor do bom rendimento nas atividades, continue lendo para conhecer alguns alimentos que dão energia e podem mudar o seu estilo de vida e rendimentos diários!

1. Frutas Vermelhas

Frutas como morango, melancia, ameixa, framboesa e mirtilo são ricas antocianina, um poderoso antioxidante. Sua função no organismo é combater os radicais livres produzidos e assim, teremos mais disposição e vitalidade para enfrentarmos a rotina do dia a dia.  

2. Aveia

Ela é fonte de carboidrato complexo, o que significa que é conveniente para que os carboidratos sejam  absorvidos de forma mais lenta, evitando os picos de  glicose no sangue . A aveia ainda se destaca dentre os alimentos que dão energia, pois pode manter a saciedade por um maior período de tempo, algo bastante interessante  para quem deseja consumir menos calorias.

3. Banana

Fonte de potássio, a banana previne fadigas, fraqueza muscular e impulsiona o funcionamento cerebral durante o dia, além de se destacar por contribuir para a produção de serotonina. O triptofano contido na fruta pode auxiliar na função do neurotransmissor, possibilitando assim uma melhor qualidade de sono e equilibrando hormônios determinantes para equilíbrio emocional e humor.

4. Chá verde

Destaque entre as bebidas termogênicas, o chá verde, por conter cafeína, se mostra interessante não só para quem deseja perder peso como também para quem busca mais energia para o dia todo. Tomar uma xícara da bebida logo no início do dia pode aumentar o estimulo do sistema nervoso central, evitando assim a fadiga. 

5. Oleaginosas

Se você deseja investir nas gorduras boas, saiba que as oleaginosas são as melhores opções para seu café da manhã. Além de fornecer energia, esses alimentos podem ajudar no equilíbrio de colesterol e triglicerídeos, o que reduz a possibilidade de inúmeras doenças.

Acrescentando pequenas porções de nozes, amêndoas ou castanhas à sua dieta, você poderá aumentar os níveis energéticos de seus dias e ainda notará benefícios sobre a capacidade de memorização e redução de estresse.

6. Mel

O mel se destaca entre os alimentos que dão energia, e esse benefício é justificado pela combinação da frutose com glicose, que atuam no organismo para aumentar a resistência física e combater fadigas.

A combinação da vitamina C com os diversos minerais desse alimento ainda reforça os níveis de antioxidantes que impulsionam o funcionamento metabólico, energético e comportamental de todo o organismo.

Investir nessas opções para melhorar os níveis energéticos diários ainda permite que os benefícios sejam estendidos para prevenir doenças e garantir que o funcionamento do organismo se mantenha regular. Os alimentos que dão energia podem ser combinados entre si ou utilizados para incrementar receitas nutritivas e muito saborosas, além de inovar o seu cardápio.

Invista em combinações energéticas e nutritivas para que suas refeições matinais serão mais saborosas e promissoras para sua rotina.

Gostou dessas dicas? Siga nossas páginas nas redes sociais e confira outras novidades!

Quando procurar um nutricionista? Saiba o momento certo

O nutricionista é o profissional que tem conhecimento a respeito dos alimentos, suas consequências para o corpo, a finalidade de cada nutriente e as necessidade nutricionais de cada pessoa.

Muitas vezes, no entanto, só são lembrados quando alguém precisa emagrecer. E, por mais que o nutricionista seja mesmo o profissional indicado para prescrever planos alimentares que visam o emagrecimento, eles são importantes para diversas outras questões que envolvem a saúde do nosso organismo em geral.

E então, quando procurar um nutricionista? No post de hoje, vamos te mostrar 5 motivos diferentes do emagrecimento para marcar uma consulta com o profissional da nutrição. Confira!

Ganhar massa magra

Pessoas que praticam exercícios de força e desejam um corpo mais forte e com maior volume muscular são altamente indicadas ao nutricionista. Isso porque é por meio da alimentação que o corpo consegue os nutrientes necessários para o crescimento muscular.

Nesse processo de ganho de massa, quantidades, macronutrientes, suplementação de qualidade e, até mesmo, o melhor horário para cada refeição são fatores que fazem toda a diferença. Ganhar massa é um processo que pode ser difícil e, quando feito sem orientação, pode trazer o ganho de gordura.

Ter auxílio no tratamento de doenças crônicas

As doenças crônicas não transmissíveis, como diabete e hipertensão, estão altamente relacionadas a fatores que envolvem a composição corporal e os hábitos alimentares.

O tratamento dessas doenças tem como parte essencial o controle dos hábitos alimentares com a utilização de alimentos ricos em nutrientes e que sejam capazes de fornecer ao corpo tudo que ele precisa para manter o bom funcionamento.

Além disso, doenças como diabetes exigem estratégias alimentares bem definidas e com pequenas restrições, uma vez que o corpo do paciente diabético se comporta de forma diferente diante no que se diz respeito à produção de insulina, por exemplo.

O profissional responsável por elaborar dietas que tratem todas as diferenças nutricionais exigidas para cada doença é o nutricionista.

Melhorar a sua disposição

Talvez você esteja satisfeito com a sua imagem no espelho e nunca tenha pensado em adotar dietas para emagrecer ou ganhar massa… Mas sinta-se sempre cansado, com sono desregulado etc.

Esses sintomas podem estar associados a um corpo com carência de nutrientes, sobrecarga de açúcares e gorduras ruins e outros fatores alimentares. Por isso, uma alimentação adequada é uma das maneiras de se obter mais disposição e energia para realizar as tarefas do dia a dia.

Além disso, quando bem nutridos, a regulação hormonal do corpo acontece de maneira mais eficiente, melhorando a qualidade do nosso sono.

Melhorar a pele, unhas e cabelos

A qualidade da nossa pele, unhas e cabelos tem relação com a saúde do nosso organismo. Características como brilho dos cabelos, unhas fortes e peles macias são, na verdade, demonstrativos de um corpo hidratado e saudável.

Por isso, se você deseja melhorar a sua aparência, comece pela alimentação de qualidade.

Manter a saúde em dia

Muitas vezes pensamos saber quais os melhores alimentos para nosso corpo e que o senso comum é suficiente para uma nutrição de qualidade, não é mesmo? “Comer frutas, verduras, alimentos integrais e com baixo teor de gordura” faz parte dos mitos da alimentação saudável.

A verdade é que a nutrição é uma ciência complexa e cada corpo é único e reage melhor a determinados tipos de alimento. Verduras e frutas são mesmo saudáveis e importantes na obtenção de um organismo que funcione bem, mas é importante que as quantidades sejam adequadas, variadas para a obtenção de diferentes nutrientes etc.

Gorduras, por exemplo, são essenciais para o nosso corpo. Alimentos como abacate, azeite e castanhas, quando bem administrados, trazem inúmeros benefícios a nossa saúde. Os integrais são indicados em muitos casos, mas será que aqueles altamente industrializados são boas opções?

Percebeu como existem diversas variáveis quando o assunto é alimentação? Por isso, mesmo que o seu objetivo seja somente a manutenção da saúde, o nutricionista é indicado. Ele será capaz de indicar o melhor plano alimentar para a sua saúde e o seu corpo, que é diferente dos demais.

Agora que você já sabe quando procurar um nutricionista, entre em contato com a nossa clinica e comece a desfrutar dos benefícios de um corpo mais saudável agora mesmo!

Conheça os 8 melhores alimentos pós-treino

O bom rendimento nos treinos requer não apenas uma suplementação segura, mas principalmente cuidados com a alimentação. De olho na energia a ser gasta nas atividades físicas, é importantíssimo escolher os melhores alimentos para assegurar o bom desempenho nos treinos.

Para se recuperar do desgaste físico e prevenir fadigas, é possível combinar alimentos pós-treinos que podem agradar a todos os gostos. Confira quais são eles e inove em seu cardápio do dia a dia.

1. Atum

O peixe é uma excelente opção para reposição de proteínas após os treinos.  Se for optar pelo industrializado,é importante escorrer o óleo em que ele está conservado antes de consumi-lo.Uma pequena porção de atum pode fornecer até 15 gramas de proteínas, contando ainda com o reforço com ômega 3 e estendendo os benefícios à saúde do coração.

O atum pode ser uma excelente alternativa para quem deseja se manter firme na dieta mas não tem tempo para preparar suas refeições. Uma latinha pode ser suficiente para garantir as proteínas de um pós-treino poderoso.

2. Banana

Contribuinte para a redução de câimbras devido o alto teor de potássio, a presença da banana no cardápio diário ainda favorece o sistema digestório, pois é rica em fibras, podendo ainda auxiliar na reposição rápida de energia e combater os desconfortos musculares pós-treino.

Acrescentando a banana à sua refeição pós-treino, você estará garantindo quase 35% da quantidade diária de vitamina B6 recomendada, importante nutriente para a produção de serotonina, também conhecida como hormonio do “bem estar.” 

3. Batata doce

Comer a batata doce após os treinos contribui para a reposição de glicogênio muscular, vitaminas e minerais, além de ser rica em fibras. 

A batata doce ainda estende seus benefícios para auxiliar no combate à ansiedade e estresse.

4. Oleaginosas

 Esses alimentos podem garantir a ingestão de  gorduras boas e arginina, aminoácido utilizado na recuperação e aumento de  massa magra.

Para quem deseja a redução de peso, essa categoria de alimentos também se mostra conveniente, já que contém ação anti-inflamatória e induz a eliminação regular de toxinas indesejáveis ao corpo.

Dentre os favoritos, podemos destacar a castanha do pará, castanhas de caju, nozes, amêndoas e muito mais.

5. Ovo

Ele é o alimento mais comum das dietas, e mesmo diante de afirmações tendenciosas, mostra-se um alimento promissor e conveniente para garantir porções saudáveis de proteínas nas refeições.

Pouco calórico e rico em proteínas e vitamina D, o ovo é um dos alimentos pós-treinos mais cotados para auxiliar na recuperação muscular após o desgaste físico.

6. Peito de frango

Popularmente combinado com a batata doce, o peito de frango é destaque pela contribuição de proteínas. Versátil, pode ser utilizado grelhado, desfiado, em patês, ou até mesmo em sopas e sanduíches. Combinando-o com um carboidrato de rápida absorção, as proteínas do frango podem chegar de forma mais rápida aos músculos, garantindo uma melhor recuperação muscular.

7. Salmão

Um dos alimentos mais cotados para quem busca hipertrofia, o salmão não só fornece proteínas importantes para a saúde dos músculos, como também garante ômega 3, favorecendo mais força e melhor desempenho nos treinos.

8. Kiwi

A fruta pode não ser uma das opções mais populares, mas pode oferecer porções significativas de vitaminas e minerais importantes para a nutrição de quem está em dieta. A combinação do potássio com a vitamina C podem ajudar no fortalecimento do sistema imunológico, agindo como um poderoso antioxidante, beneficiando não só nos rendimentos, mas no estado de saúde.

Cardápio Versátil

Podemos notar que há inúmeras opções de alimentos pós-treino. Isso permite investir em um cardápio nutritivo e muito versátil, o que pode aumentar a possibilidade de sucesso de dietas e reeducações alimentares. Vale ressaltar ainda que a contribuição nutricional dessas opções acima pode ser potencializada se combinadas com acompanhamentos tão nutritivos quanto esses.

Gostou de conhecer das nossas dicas de alimentação? Deixe seu comentário com dúvidas ou opiniões!

Alimentação saudável: comece já a comer legumes e verduras!

Seguir uma dieta rica em nutrientes pode ser uma tarefa um tanto quanto difícil para quem não gosta de legumes e verduras. Considerando a contribuição desses alimentos para a nossa saúde, é mais que válido investirmos em variações gastronômicas e estratégias para tornar o cardápio mais saboroso e adequado, para uma nutrição completa.

Quer garantir os benefícios de uma alimentação saudável? Confira, a seguir, algumas dicas que vão ajudar você a inserir legumes e verduras no seu dia a dia. Vamos lá!

Comer mais vezes, em porções menores

O recomendado, segundo nutricionistas, é realizar de 6 a 7 refeições diárias, sendo que mais da metade deve conter combinações de verduras e legumes. Pode parecer muito, mas as rotinas e atividades diárias têm dificultado a ingestão dos nutrientes e feito com que haja intervalos muito extensos entre uma refeição e outra.

O ideal é investir em refeições intermediárias com esses alimentos que contribuem não só para garantir a saciedade, mas também  e principalmente  para o funcionamento regular de todo o organismo.

Desse modo, podemos concluir que devemos comer com mais frequência, em porções menores e os alimentos certos.

Renovar a sua dieta gradativamente

É imprescindível que a inserção de legumes e verduras seja feita de forma gradativa. Inicie com um cardápio de pequenas porções diárias, aumentando a presença desses alimentos nas refeições, dia após dia.

Com o tempo, é possível se adequar melhor aos sabores e se conscientizar da contribuição nutricional que cada alimento pode oferecer, melhorando a sua qualidade de vida. Sem falar que a variação de cardápio será um prazer, a longo prazo.

Lembre-se que imposições não são motivadoras; por isso, tenha paciência e deixe esses alimentos ganharem espaço em seu cardápio, da maneira mais natural possível.

Misturar frutas na salada

As saladas são muito recomendadas para dietas de perda de peso, mas muitas pessoas sentem dificuldade em ingeri-las, pois o sabor mais amargo — ou mesmo a textura das folhas  não agrada muito.

Uma dica interessante para preparar receitas saborosas é combiná-las com frutas de sabores que se destacam; desse modo, esse sabor pode sobressair sobre os demais ingredientes. O limão é um dos favoritos, junto com morangos e até mesmo a manga. Apostar em frutas cítricas é sucesso na certa!

A mistura de cores também pode ser uma excelente estratégia para tornar os pratos mais atraentes e irresistíveis até mesmo para quem não gosta.

Temperar bem os alimentos

Muitas pessoas recusam alguns alimentos apenas sentindo o cheiro deles. O ideal é que você engane o seu olfato e procure refletir apenas sobre como determinado alimento pode contribuir com a sua saúde.

Uma ótima maneira de fazer isso é usando temperos diferenciados, que, além de mascararem o cheiro, deixam o sabor muito mais agradável. Alguns exemplos são salsa, orégano, tomilho, alecrim, pimenta e azeite. Além deles, você também pode contar com molhos para salada! Basta experimentar e descobrir qual te agrada mais.

Fazer sucos, shakes e smoothies

Os shakes e smoothies são alternativas muito convenientes para quem deseja uma refeição rápida e completa. O processamento adequado dos alimentos otimiza a absorção dos nutrientes e permite que legumes e verduras sejam combinadas com suplementos alimentares, frutas ou cereais, para diversificar os sabores e as texturas.

Claro que os sucos também são bem-vindos! Se você tiver uma centrífuga de alimentos, você pode processar as verduras e os legumes — com talo e casca — de modo que basta adicionar uma fruta, como a maçã, e você sequer sentirá os demais sabores.

Se deseja investir em uma dieta com a ajuda de legumes e verduras, é importante que você saia da defensiva e aceite mudar seus hábitos e gostos. O recomendado é se conscientizar de que essa é a maneira mais simples e segura de garantir benefícios para o bem-estar e para a prevenção de consequências no futuro

Portanto, não meça esforços e invista nas dicas dadas para que você ajuste seu gosto pessoal à alimentação saudável.

Gostou das dicas? Então curta minha página no Facebook e fique por dentro de novidades e informações como essa!

Reeducação alimentar x Dieta: quais são as diferenças?

É comum ouvirmos os termos dieta e reeducação alimentar, não é mesmo? Mas, apesar dos termos serem amplamente utilizados, muitas pessoas não conhecem o significado correto de cada um e não sabem a diferença entre eles.

No post de hoje, vamos te mostrar a diferença entre seguir uma dieta ou fazer uma reeducação alimentar. Confira!

Dieta

A dieta funciona como uma estratégia nutricional, onde há uma necessidade de restrição total ou parcial no consumo  de determinados alimentos  para obtenção de objetivos específicos, sempre com uma finalidade terapêutica.  

As dietas são importantes para pessoas com doenças como diabetes, alterações de colesterol, hipertensão, alergias e/ou intolerâncias alimentares  dentre outros fatores que exigem que a alimentação seja controlada.

Quando utilizadas como estratégias nutricionais que visam um objetivo especifico, as dietas são realizadas por meios de planos alimentares que determinam a necessidade de ingestão calórica diária, a quantidade de cada macronutriente — carboidratos, proteínas e gorduras — a ser consumido, horários de cada refeição, restrições alimentares etc.

Essas estratégias alimentares são individuais; cada pessoa é diferente, possui um organismo diferente e, com isso, apresenta necessidades nutricionais diferentes.

Por isso, dietas só podem ser prescritas por nutricionistas. Eles são os profissionais aptos a elaborarem planos alimentares que atendam as necessidades de cada pessoa, assegurando que a nutrição seja adequada e que os objetivos serão atingidos sem o comprometimento da saúde.

Reeducação alimentar

Diferentemente da dieta, a reeducação alimentar não utiliza de grandes restrições e especificações de quantidades exatas etc. Quando falamos em reeducação alimentar, falamos em uma forma de reaprender a comer, tornando a alimentação mais saudável.

Quem faz a reeducação alimentar introduz novos hábitos a rotina, passa a consumir alimentos ricos em nutrientes, reduz o consumo dos grandes industrializados, aprende a variar nas escolhas, a experimentar, utilizar de vegetais e frutas para obtenção de vitaminas, sais mineirais etc.

Nesse processo, aprendemos a respeitar as limitações e necessidades do nosso corpo e a encontrar um equilíbrio alimentar no qual os alimentos ricos em açúcares, gorduras ruins, conservantes, corantes e outros passam a ser exceções na nossa rotina. E, com isso, a base da nossa alimentação passa a ser a comida de verdade, rica em tudo aquilo que o nosso corpo precisa.

A reeducação alimentar também pode ser utilizada por aqueles que desejam emagrecer, uma vez que ao comer de forma equilibrada e saudável, o corpo tende a melhorar de forma natural. Mas não é só isso: o processo de reeducação alimentar é recomendado a todas as pessoas. Afinal, uma alimentação saudável traz inúmeros benefícios à saúde, aumentando a nossa qualidade de vida.

Reaprender a comer é um processo gradual, mas que pode ser muito simples quando feito com um bom auxilio. Por isso, o nutricionista também é indicado para aqueles que não possuem objetivos estéticos específicos  e não sofram de alguma condição de saúde que exija uma alimentação regrada.

Quem deseja comer bem para ser mais saudável receberá orientações que dizem respeito aos melhores alimentos, horários de consumo de cada um, consequências da ingestão de determinados nutrientes, benefícios de cada macronutriente etc.

Tanto a reeducação alimentar quanto as dietas são importantes para que as pessoas possam ter uma vida mais saudável, mas, como mostramos, elas tem finalidades diferentes.

Se você possui um objetivo estético especifico ou precisa controlar a alimentação por alguma doença, alergia ou outras questões de saúde, conte com um nutricionista para elaborar a dieta certa para você.

E, caso você não precise de dietas, considere passar por um processo de reeducação alimentar para melhorar a sua saúde de forma geral e aproveitar dos benefícios de um corpo bem nutrido.

E ai, você faz reeducação alimentar ou segue alguma dieta? Deixe um comentário no nosso post e divida com a gente as suas experiências alimentares.

Descubra porque devemos evitar alimentos com conservantes

Alimentos com conservantes são muito comuns, porém, precisamos estar atentos quanto a esses aditivos.

Os conservantes são compostos adicionados a um determinado produto para controlar a proliferação de fungos e bactérias e, assim, aumentar seu prazo de validade.

Para saber quais aditivos estão presentes nos alimentos, é necessário prestar atenção aos rótulos. No entanto, muitas vezes as embalagens mostram apenas o código do conservante. Nesse caso, podemos consultar o site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Apesar de serem importantes e necessários em alguns casos, muitos desses elementos possuem substâncias prejudiciais ao organismo, podendo gerar vários males à saúde, como alergias ou, até mesmo, câncer. Esses prejuízos nem sempre se desenvolvem em curto prazo, seus efeitos tendem a surgir com o passar do tempo.

Quer saber mais sobre o assunto? Então veja o que preparamos e descubra 3 razões para evitar alimentos com conservantes em sua dieta.

Esses produtos podem provocar alergias

Pessoas com maior sensibilidade, podem desencadear reações alérgicas com esses aditivos. Os sintomas são variados, como irritação na pele, falta de ar, vômitos ou cólicas.

Um dos conservantes mais relacionados à alergia é o sulfito, que é utilizado para controlar o escurecimento dos alimentos, podendo causar problemas às pessoas sensíveis. Itens como vinho, suco de uva, vinagre, batatas e massas congeladas, sopas ou geleias podem conter alto teor de sulfito.

Em alguns casos, levam a sérios problemas de saúde

Além de causar alergias, os conservantes alimentares podem levar ao desenvolvimento de outras doenças. Por exemplo, devido à grande quantidade de sódio, alguns desses produtos podem provocar retenção de líquido, inchaço e aumento da pressão arterial.

O consumo excessivo dessas substâncias pode, inclusive, aumentar os riscos de desenvolver câncer no intestino. Os conservantes denominados nitrito ou nitrato de sódio podem prejudicar o estômago. Há ainda os que podem causar dificuldades digestivas.

Entre os compostos prejudiciais está o benzoato de sódio, presente em refrigerantes, que, segundo pesquisas, podem causar transtorno de déficit de atenção em crianças. 

Alimentos com conservantes podem atrapalhar sua dieta

Para quem quer emagrecer, o ideal é fugir dos conservantes artificiais que prejudicam o organismo, desaceleram o metabolismo e tornam mais difícil atingir os objetivos.

Muitas vezes, alimentos de baixo valor calórico, como refrigerantes diet, parecem não prejudicar a dieta. Porém, eles são ricos em conservantes e corantes, o que acaba gerando um perfil inflamatório  o no organismo e dificultando seu bom funcionamento.

Para ter melhores resultados na dieta e manter a saúde em dia, é preciso evitar o consumo de itens com conservantes e optar por uma alimentação o mais natural possível.

Todos sabemos que é preferível, por exemplo, comer uma fruta ou fazer um suco de frutas em casa a comprar um suco de caixinha ou um suco em pó, que são ricos em substâncias que servirão de obstáculo à saúde do nosso corpo.

Evitando os alimentos com conservantes e sabendo fazer boas escolhas, teremos uma vida mais saudável!

Gostou deste post? Sabe mais algum motivo por que devemos evitar o consumo de alimentos com conservantes? Então deixe um comentário e compartilhe a sua opinião sobre o assunto.